Audiência pública debate melhorias para o Campus da UESPI em Oeiras

por Sueli Rodrigues publicado 14/06/2019 19h16, última modificação 14/06/2019 19h16
Ato contou com a presença de vereadores, professores e alunos da instituição; do reitor da UESPI, Nouga Cardoso; dos deputados estaduais Bessah e Francisco Costa; e do presidente do Conselho Estadual de Educação, Carlos Alberto Pereira.

A Câmara Municipal promoveu nesta sexta-feira, 14, uma audiência pública para debater e propor melhorias para Campus da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) em Oeiras. O ato contou com a presença de vereadores, professores e alunos da instituição; do reitor da UESPI, Nouga Cardoso; dos deputados estaduais Bessah e Francisco Costa; e do presidente do Conselho Estadual de Educação, Carlos Alberto Pereira.

A UESPI de Oeiras serve a 17 municípios do Vale do Canindé e enfrenta uma série de problemas de infraestrutura e escassez de recursos humanos. Dos quatro cursos abertos na instituição, somente um é reconhecido, e ainda corre o risco de ter seu reconhecimento denegado. Apenas o curso de história recebeu novos alunos através do último ENEM. Os outros cursos – Letras, Pedagogia e Matemática – não tiveram vagas abertas.

O reitor Nouga Cardoso afirma que está ciente das dificuldades e necessidades do campus, mas alega que a resolução dos problemas esbarra nas dificuldades financeiras que o Estado do Piauí atravessa. Ele também falou sobre o andamento da obra da nova sede do Campus Possidônio Queiroz, mas não deu previsão de quando ela será concluída e entregue à comunidade acadêmica.

Segundo o Governo do Estado, o novo prédio da UESPI de Oeiras está orçado em cerca de R$ 5 milhões e contará com 33 salas de aula, seis laboratórios, um auditório com capacidade para 144 lugares, uma biblioteca, área administrativa, área de convivência, quatro banheiros masculinos e quatro femininos, 10 banheiros acessíveis e estacionamento com 140 vagas. De acordo com o reitor, obra aguarda a liberação de recursos do Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa) para ser concluída.

Os professores alegam que, além da falta de infraestrutura, o campus também sofre com a falta de equipamentos e de livros e com a precariedade da assistência estudantil. O professor do curso de Letras, Harlon Lacerda, comenta que, atualmente, a UESPI de Oeiras possui 297 alunos, mas já chegou a ter mais de 700 estudantes, em 2015.

Ao fim da audiência pública, uma comissão foi formada e deve se reunir com o governador Wellington Dias, no Palácio de Karnak, no início do julho, após os cursos do campus de Oeiras serem visitado e avaliados pelo Conselho Estadual de Educação. A comissão é composta por 10 membros, entre eles, vereadores, deputados, reitor, professores da UESPI/Oeiras, presidente do Conselho Estadual de Educação e secretário estadual de Educação.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples.